Páginas

PESQUISE NESTE BLOG

sábado, 25 de agosto de 2007

Entrevista - Carlos Maltz (Eterno Engenheiro do Hawaii)

O Que é Pop ? O que é arte ? Existe Arte ? O Pop não poupa ninguém ?

Não são perguntas fáceis de definir , mas Carlos Matz parecer ter as respostas ... pelo menos, uma opinião formada à respeito. Concorde ou não, vale a pena conferir as idéias dessa figura que já foi amada por muitos fãs e odiada por boa parte da Mídia desse pais , enquanto integrante dos Engenheiros do Hawaii, desde sua formação , em 1985 e até meados de 1995, mas onde ainda permanece como membro extra-oficial.

Carlos Maltz , atrás das baquetas dos Engenheiros gravou 9 albuns (e participou de mais 4 discos, incluindo o novo Acustico, na faixa "Cinzas"). Fora da banda lançou um disco à frente da banda Irmandade e um outro solo, "Farinha do Mesmo Saco", que contou com a participação de Humberto Gessinger no baixo, vocais e na produção.

Carlos Maltz possui também um consultório Astrológico em Brasília, onde dedica-se a sua outra paixão, que começou ainda no começo dos anos 90 depois de conhecer a obra de Jung, mas o embrião já estava lá, dentro dele, mesmo sem que o mesmo percebesse.


Qual a lembrança musical mais antiga que você tem ?
Yelow Submarine, dos Beatles.

O que você costumavaouvir em sua casa, com seus pais, na sua infância ?
meu pai tinha uns discos de Calypso...e do Harry Belafonte...

Em que momento se deu a vontade de ser musico ?
nunca pensei em ser músico, apenas queria tocar música...

Você sempre quis ser bateirista ou isso foi uma obra do acaso (se é que você acredite em acaso) ?
A-KAOS-O? a-credito sim...fui tocar bateria porque não tinha fio...

Você se lembra do primeiro disco que comprou, foi até a loja e tal ?
acho que foi o Four Simbols , do Zeppelin...

Você conheceu o Humberto na faculdade ou já o conhecia antes ?
na facul...


Pelo que sei vocês não iam muito com a cara um do outro.
bão...eu não ia muito com a dele, não sei se o sentimento era recíproco...achava ele muto arrogante...talvez o único cara mais arrogante do que eu, que eu tenha conhecido...


A Arrogancia é uma qualidade essencial para a arte ?
não. é um defeito de caráter derivado da insegurança...é uma compensação...pessoas arrogantes costumam ser pessoas inseguras a seu próprio respeito...


E como se deu a formação do Engenheiros ?
nos juntamos para fazer um show de encerramento do ano letivo de 1984, que por causa da greve, foi no dia 11 de janeiro de 1985...dia em que começou o Rock in Rio...na verdade, quem convidou a gente para fazer uma banda, foram alguns amigos que eram do diretório acadêmico da faculdade, e queriam uma banda formada por caras da facul para tocar naquela festa...


E o primeiro show ? Rolaram musicas próprias ou mais covers ? Procede aquela informação de que vocês ficavam tocando jingles , tipo "Mônica, abraça o Elefantes, aperte ele bastante..." ?
sem dúvida, e o jingle do "sem-parar" também...tinha um cover do Ultraje: "Rebelde sem causa", e umas músicas do Humberto...Acho que "Segurança" já existia...não tenho certeza...

Ah, sim , esse jingle era aquele "sem parar é só começar , sem parar , sem parar, biscoitinhos cobertos com chocolate Nestlê" . Nesta época ainda não existia uma pretensão de continuar como banda e tal. Quand você percebeu, um show, talvez , que o negócio era sério, que vocês eram uma banda de verdade , que conseguiriam se sustentar como tal ?
Em Fortaleza, Praia do Futuro. umas dez mil pessoas estavam lá para nos ver. 1986...acho...não tinhamos nem idéia do tamanho que a gente já tinha...

O Pitz você conheceu onde ?
na facul...

E Porque ele saiu após o primeiro disco ?
não suportou conviver com gente tão neurótica como nós ...acho...

O Augustinho tocava com o Nei Lisboa. Você conhecia ele antes ?
a gente era fã dos caras...

Legal isso ... Mas o Engenheiros não parecia se enquadrar com outras bandas na época, tipo a amizade entre Paralamas e Titãs , a turma de Brasilia. As outras bandas do Sul eram mais , digamos , "Porraloucas", uma imagem diferente dos engenheiros. Teve também uma vez que vocês fizeram uma turnê , n com os "Garotos de Rua" , e "replicantes" , não me lembro ao certo, e foi um convivência difícil . Foi isso mesmo ?
não chegou a ser difícil, porque não houve convivência....

E vocês tinham uma "turma" no "meio musical", por assim dizer ?
não. nunca fizemos parte de nenhum tipo de sindicato. nem entre nós mesmos, nunca chegamos a ser uma turma...

Como se deu o convite para o Augustinho entrar na banda ?
encontrei ele num show do "Echo and the Bunnyman"no Rio...falei pro Humberto, que havia ficado no hotel... ele disse: vamos convidar o cara pra entrar na banda...( o Pitz tinha acabado de sair...) e convidamos... e ele aceitou...

Quem canta junto com o Humberto "Variações sobre um mesmo tema " ?

tem alguém cantando junto? ahhh no final? é o Augusto...

O julio Reny gravou com vocês "guardas da Fronteira" , participou de alguns shows na época da "Expresso do Oriente". Como vocês se conheceram ?
na highway...

O Gaucho é arrogante ou isso é somente uma falsa percepção, um lance de bairrismo ou mesmo da mídia ?

é arrogante mesmo.

A Irônia, muito presente nas musicas feitas no sul é algo de difícil assimilação no resto do país. Por que você acha que existe essa diferença, essa falta de compreensão ?
o pessoal do sul é descendente de europeu...europeu tem que ser irônico, se não não consegue se aguentar...de tão baixo astral...o povo do axé não tem como compreender uma coisa dessas...o gaúcho mais alto astral é mais baixo astral que o baiano mais baixo astral...mas eu não faço a menor idéia se isso é bom ou ruim, melhor ou pior...

Como o sucesso afetou sua vida na época , ou da banda de um modo geral ?
ahhh, imagine... a gente era um bando de retardado mental cheio da grana e famoso...imagine...

Na verdade o Engenheiros sempre passou a imagem de ter uma mentalidade diferente de outras bandas . Claro que o sucesso deve ter mexido com vocês como qualquer um, mas nunca rolou nenhum tipo de descontrole e tal ?
sim, sem dúvida. porque você acha que a banda rachou. egalos inflados. coisa que só acontece na vizinhança do sucesso.

Depois do Boom das bandas nacionais na metade dos anos 80, a partir de 89 muitas nem mais existiam, e os Engenheiros continuavam mais fortes do que nunca , com o lançamento de "O Papa é Pop", "Várias Variáveis". A única banda que fazia frente ao Engenheiros parecia ser a Legião, no qual a mídia gostava de criar um tipo de rivalidade entre ambas as bandas. Sei que você fã do Rentato Russo . E existem aquele tipo de fã mais xiita que também enxerga essa rivalidade. Como vocês encaravam isso na época ?
A Legião estava muito acima de nós, ou de qualquer outro...era impossível ser ríval deles...

Mas uma rivalidade saudável, ambas era bandas que tinham um bando de "seguidores" por trás , havia um fanatismo grande em relação as duas . Você tem algum caso engraçado envolvendo fãs ?
engraçado...bão...sei lá...uma vez saímos de um show em Fortaleza, e tinha uma galera esperando a gente do lado de fora...quando saímos para entrer na Van eles começaram a gritar: " filosofia, filosofia"...não sei se isso é engraçado...

Era dificil sair nas ruas nesta época, você era sempre reconhecido ?
sim, com aquele cabelo...

E falando em Legião você ouviu a versão de "toda forma de poder" que o Dado Villa Lobos gravou uma vez no projeto JAM 80 ?
acho que não sei...ou não me lembro...acho que ouví falar, mas não me lembro se ouví ou não...

A relação de vocês como banda , o processo criativo , era tenso ?
sim. sempre foi. você percebe isso ouvindo os discos. tenso. do início ao fim. e eu adoro aquela tensão.

Você participou de algum outro disco fora suas bandas ?
Carecas da Jamaica do Nei Lisboa...e o do Esquerda Volver...acho...

O Carecas da Jamaica é muito bom. No disco do Esquerda Volver , você apenas produziu ou participou de alguma faixa ?
toquei em algumas...

Como se deu a saída do Augustinho ? Lembro de uma nota na Veja, onde fiquei sabendo na época que ele tipo estava processando a banda , afim de usar o nome ou os simbolos ...
ahh...acho que esquecí essa parte...minha memória RAM deletou esse pedaço...não porque ele seja feio, mas porque já enchí o saco de falar disso...digamos que o motivo foi incompetência emocional coletiva...

13- Eu fui muito fã da banda durante a adolescência e senti uma mudança de sonoridade muito grande depois de tudo isso. Também sabia todas as letras decor, a ordem das faixas no disco e essas coisas todas. Já a partir do> "Simples de Coração" comecei aos poucos a me desinteressar um pouco, não ao ponto de não gostar , mas sem mais aquele fanatismo todo. Hoje vejo a banda mais como "Humberto e os outros" do que como o Engenheiros propriamente dito, o que não deixa de ser interessante, pois por mais que ele fosse "o cabela da banda" percebe-se claramente a contribuição sua e do Augustinho para a sonoridade da banda à época. Como Você enxerga essa percepção ?
com os olhos... e com a alma...








Mas o seu disco tem uma sonoridade mais próxima dos Engenheiros do que o próprio Humberto, você não acha ?
sem dúvida...tem dois "engenheiros" lá...e a cara da banda era a "cozinha alemã" que está lá no Farinha...hehehehe....

Você já escrevia antes de conseguir colocar uma canção sua (O castelo dos destinos Cruzados) em um disco dos Engenheiros ? Já havia tentado colocar uma musica antes ? Como foi a briga de egos entre você e o Humberto
não, foi a primeira.

Como foi a briga de egos entre você e o Humberto
como foi a briga dos egalos? a banda rachou cara...o que você acha?

Sim , eu entendo , mas é que uma vez você disse que foi difícil conseguir colocar a "O Castelo" no CD, que o Humberto fazia greve , não queria tocar, sentava no chão, essas coisas . Rolou isso mesmo ?
sim.

Foi quando você percebeu que não queria mais continuar com os Engenheiros ?
não sei...foi numa curva qualquer da highway...nem sei se pensei que não queria mais ficar na banda...simplesmente não podia mais olhar pra cara do Humberto...eu me via demais lá...

Com o que exatamente você não concordava mais nas letras do Humberto, ou foimais uma necessidade de expressar suas novas idéias ?
acho que tudo isso junto...acho que tudo isso é uma coisa só...com o que eu não concordava? com tudo...nada...

Como o Humberto recebeu o seu "pedido de demissão" ?
nunca teve isso...ele não era meu patrão, era meu brother...na verdade, quem saiu da banda foi ele, para se dedicar ao Gessinger Trio...que depois se transformou em Engenheiros...

Quis dizer “demissão” , porque uma vez você disse que ao gravar com o Humberto no seu disco "farinha do mesmo saco" você olhava para ele pensando o que ele estaria pensando e dai se tocava que agora era o "patrão" . Então não rolava esse tipo de sentimento à época ?
ahhh sim...mas não no sentido de dono da banda, no sentido de maestro...de compositor...

Na época do Humberto Trio você sentiu que as coisas iriam acabar mesmo , que era uma tentativa do Humbeto se afastar ... ?
sim

Você também disse que na época que começou a se ligar em Astrologia , começou a questionar isso de estar em uma banda e que resultou num conflito com o Engenheiros e que via agora como algo que você provocou para que pudesse seguir a sua vida da maneira que necessitava. Você ainda compartilha dessa visão ?
Perfeitamente

E Como você foi parar em Brasília ?
não tem resposta racionalmente lógica para essa pergunta.

Você começou a ser interessar por Jung , Astrologia.... Uma vez perguntaram para vocês o que gostariam de ser se não fossem musicos. O Humberto afirmava querer ser motorista de taxi e você dizia Astrólogo , alguma coisa nesse sentido. Em que época você percebeu que iria mesmo seguir por esse caminho ?
acho que eu respondí "rabino"....só me dei conta que eu já ia ser, quando já estava sendo...por volta de 1999

Não , foi no Folhateen, ainda na época do Augustinho, o Humberto dizia que queria ser taxista , o Licks não sabia o que faria (e ninguém sabe) e a sua resposta, foi exatamente "Vou ser Astrólogo, padre , alguma coisa assim"
hehehe legal...o meu "daimon" já estava falando...muito antes de minha consciência saber...

Deve rolar algum estranhamento por parte do público, ou mesmo da comunidade astrológica , o fato de você ser um roqueiro ? Tem ou teve algum tipo de preconceito , de falta de credibilidade ?
acho que sim, acho que ainda tem...em todos os ambientes que frequento, sou um estrangeiro...( o que me agrada, porque continuo sem fazer parte de sindicato nenhum...o que é fundamental para quem quer pensar por conta própria...)

Quando você, o Marcus, o Duca, o Alexandre e o Gustavo formaram a "Irmandade" você ainda estava com o Engenheiros ou foi um tempo até surgir a banda ?
o Humberto se afastou dos Engenheiros para tocar o Gessinger Trio...foi nessa época que eu comecei a tocar com o Marcus Melgar e os irmãos dele... a "Irmandade"...

Os temas predominantes nas letras da banda era Nova Era, Alquimia, Ets,Vida Espiritual...
bem...tudo isso faz parte da grande sombra da nossa civilização racionalista...o Titanic que está indo a Pique...nossa civilização que esqueceu a alma no caminho...tudo isso é uma busca... ás vezes cega, ás vezes certeira...muito joio...algum trigo...quem quiser encontrar o novo paradigma, vai ter que se arriscar a pagar mico...não tenho medo do ridículo...o cheiro da carniça da civilização racionalista é muito forte para me permitir sentir medo de me arriscar a pagar mico na busca do novo...

A Imandade durou quanto tempo ?
até eu vir para Brasília, em 1999...

Foram um CD e um EP ?
sim...

Nesta época, quando a Internet andava engatinhando no Brasil, como foram as vendas ?
Irregulatres...

O que eu quero dizer é como elas foram feitas , teve gravadora , como foi a distribuição ?
foi feita de mão a mão...internet, shows...sem nenhum tipo de esquema de distribuição...vendeu umas duas mil copías...

E porque razão o projeto não seguiu adiante ?
Bem, acho que eu já não tava mais a fim de encarar o trampo de botar uma banda na estrada, segurar a barra de conviver com músicos..hehehe...um bando de gente doida...hehehe...olha só onde eu vim parar: psicólogo...hehehe...

Você nessa época chegou a desistir totalmente da carreira de musico ?
nunca pensei que ser músico fosse uma carreira....

Você não gosta de dizer que é musico. Falava para pessoas que lhe entregavam fitas que se a pessoa quiser fazer musica tem que começar a pensar que não é um deles ? Explique um pouco mais essa sua "negação" ...
não é bem negação... é que música para mim não é profissão, é devoção...

A caneta pesava na hora de preencher "profissão" nas fichas de Hotel ?
ahhh não, nem pensava nisso...até hoje ainda coloco lá: músico...vou colocar o quê? astrólogo?

Mas rolou algum receio antes de se aventurar por um novo caminho ?
na verdade, não, nem deu pra pensar no assunto, quando eu ví, meu dinheiro tinha acabado, e a única coisa que eu sabia fazer, era astrologia...

Você sente grande assédio dos fãs e tal . Isso te incomoda ou incomodou em alguma época ?
sim...não...sei lá...

Você encontrava muito fã inconformado com sua "aposentadoria" ?
ahh, sim...até hoje ainda tá cheio...não tem dia que eu não receba pelo menos uns dois ou três e-mails, mensagens no Orkut....

E você já esteve do outro lado, como fã, na frente de alguém que admira ?
ahhh sim...na época em que eu era garoto, era da camisa 12 do inter...Falcão, Figueroa...esses caras...e o Zé Ramalho, quando veio gravar no Farinha do Mesmo Saco...

Antes de conhecer o Anderson Fonseca que depois fez o seu site, não pintava nenhuma vontade de voltar a tocar profissionalmente ?
não, nessa época, não...

Você é de origem Judaica e era Ateu. Como foi a mudança na sua filosofia de vida. Foi algo que aconteceu naturalmente ou se deu de repente após tomar conhecimento de Astrologia ?
veio vindo...no meu livro: Sexo, Deus e Rock'n'Roll, eu conto com detalhes...

Mas então, fale um pouco sobre sua viagem à Israel nos anos 80 ?
eu tinha uma namorada judia, fui atrás dela...foi legal...morei uns dois meses num kibutz...depois fui pra Europa...morei em Barcelona...toquei nas ruas...pra arrumar algum...legal...

Houve alguma mudança significativa sobre você durante esta viagem ?
sim...especialmente em relação a astrologia, devido a algo muito forte que aconteceu nas ruínas de um teplo em Israel...também está no livro...

Qual a sua visão sobre Deus e Religião hoje ?
D'EU'S É...tudo o que eu posso dizer á S'EU respeito...religião é uma porta...pra navegar na grande rede universal...cada um que encontre a sua...

O "Simples de Coração" também tem um lado religioso forte , desde a capa até algumas canções ,c omo a que encerra o disco , não é ?
não sei...acho que até tinha...mas a gente não sabia...

Você nota alguma diferença entre o fã dos Engenheiros e os do seu trabalho solo ? São tipos diferentes ou são "farinha do mesmo saco" ?
você já respondeu...

Voltando um pouco à visista do Anderson até sua casa, ele fez o site e vocÊ decidiu conciliar sua nova profissão com a musica. Como foi o "recrutamento" dos novos musicos ?
ahh... essas coisas nunca foram muito planejadas...simplesmente as pessoas vão aparecendo...

E a reaproximação com o Humberto ?
hehehe....tá lá no livro, também...

Ok então, fale um pouco mais sobre esse seu livro ? Como conseguir ele ?
estou justamente nesse momento, tentando arrumar uma editora, pra que ele possa chegar até as pessoas de uma maneira mais acessível...a idéia é lançar um livro junto com um CD...

Foi de imediato o convite para o Humberto tocar e produzir o seu álbum ?
bem..sim...acho...ele ouviu umas músicas minhas e disse: "tem alguma coisa aqui"... então eu falei: legal, então vamos nos juntar e tocar...tu produz...

Vamos dar uma passada rápida nas faixas do “farinha do Mesmo Saco”, fale algo sobre as musicas , uma curiosidade, o que vier a cabeça...
Vamos lá

Depois De Nós
essa música foi feita em partes...primeiro as duas primeiras estrofes...por volta de 1996...e depois a última...por volta de 2000...as primeiras falam de tempo perdido... a última...não sei...

Quando Eu Nascer
continuo querendo sair pela cidade, pra ver se a felicidade deixou a porta aberta prá voltar...

Farinha Do Mesmo Saco
uma música que fiz para poder suportar a raiva que fiquei depois de ler uma matéria numa revista metida a séria, que dizia que a ciência já tem condições de avaliar quantos por cento "branco" uma pessoa é, geneticamente...

Quase Uma Oração

Eu tava sentado numa praça, no Rio...vendo umas crianças brincarem...do meu lado, dois caras comentavam um encontro que um deles tivera com uma garota de programa que quis beijá-lo, e ele não deixou...a letra veio quase inteira...a música é do Marcus Melgar...

Ubiqüidade
um poema pequeno, que diz quase tudo o que pode ser dito.... (Nota: Ubiquidade é um poema de Manuel Bandeira, presente em “lira dos Cinquenta Anos)

O Sorriso Do Escorpião
final da copa do mundo de 1998...na França...antes do jogo, um desfile com trocentos zilhões de mulheres maravilhosas passando na telinha...fui sacando os signos do zodíaco...nelas... e fiz a música...

Passos Do Mundo
uma desilusão que seguiu a ilusão que gerou "anjos de metal": e não adianta nada pensar que os seres do espaço vem salvar a nossa alma, porque os seres do espaço também tem a sua alma que precisam salvar...

Jardim Das Acácias II
Zé Ramalho. e ponto.

O Castelo Dos Destinos Cruzados
achei bom colocar essa versão, toda na balada...é o jeito que eu fiz a música, o jeito original.

Anjos De Metal

uma época. que passou. tô mais prá passos do mundo. mas a mensagem dela está cada vez mais atual. infelizmente.

Outra Vez Nós Dois
uma música de paz. o destino é a gente que faz.

Pedaços do Céu
alguma coisa que eu lí em algum lugar...as estrelas mais altas e os vales profundos, são pedaços do céu...até o inferno é...dependendo de onde se olhar...

Por Não Saber Amar
gosto do final: minha amiga solidão, olhai os lírios do campo: estão rindo de nós...

Recomeçar
sempre, sempre...

Fuga
fiz pro meu pai...ou pra mim mesmo...não sei bem...

Ondas I e II
é a mesma música...a parte dois era a introdução da um, que virou uma música com começo meio e fim...uma música que tem tudo a ver, ainda...talvez eu a regrave...

E você tem intenção de colocar o "Farinha" novamente no mercado ?no momento, estou me preparando para gravar um novo disco...com algumas novas e algumas antigas...prá sair junto com o livro...

Muitas bandas que hoje estão ativas na mídia são muito parecidas uma com as outras. Os Engenheiros sempre seguiram por um caminho próprio, sem ligar para as expectativas do mercado, as tendências e sempre foi massacrado por isso. Essa individualidade do artista , continua sendo algo necessário ?
se não for para isso, para que serve um artista?

Você acha que o fato de os Engenheiros estarem no mainstream, ter tocado muito, toda aquela devoção contribuiu para o "Massacre" ? Aquele negócio de estar por cima e todos querer atacar...
sem dúvida...o povo da mídia só bate em quem aparece, porque é o único jeito que eles tem de aparecer...

Da mesma maneira sua carreira solo, embora marcada por uma visão muito particular não recebeu muitas críticas negativas. Isso te surpreendeu ? Você esperava uma reação contrária ?eles só não me massacraram, porque não sabem que eu existo...eu ainda sou muito pequeno para ser massacrado... espere o livro sair prá o C V só...

Falta mais "amor" na musica pop hoje em dia ?
sem dúvida...mas não é só na música pop...falta amor em tudo...quisemos vender as nossas almas ao diabo...mas ele não aceitou, porque nossas almas não valem mais nada...

Aquilo do "artista" tocar por um sentimento legitimo, por vocação à arte e não só para ficar famoso ...
hehehe... eu sou do tempo em que neguinho que saia com a bunda na "caras", não saia com a cara na "bundas"...bons tempos...

É essa coisa ridícula do culto à celebridade. algo que sempre existiu, mas nos últimos anos chegou à níveis insuportáveis , com um numero cada vez maior de revistas especialidades, e onde a programação diurna da TV se restringiu quase toda a sua totalidade à isso, aos inúmeros reality shows como o ridículo Big Brother que não sei como não dá sinal de cansaço ?
Sinceramente não sei como alguém pode ficar na frente da TV assistindo á vida mediocre de pessoas medíocres...trepadas medíocres...conversas medíocres...fico com pena das pessoas que assistem a esse tipo de coisas...só posso dizer isso...a que ponto chegamos...a que ponto ainda vamos chegar....

É a “bundalização” não se restringiu apenas à música e já atingiu o cérebro das pessoas , a falta de leitura .... Mas voltando à música , você vê essa onda de bandas como Strokes, The Fratellis, Cachorro Grande, Faichecleres, que investem naquele visual anos 60, terninho, "oclinhos" a lá Beatle, guitarras de época, como algo artificial, sem alma ?
se tivesse alma, não chupava a alma dos outros...

O visual é algo relevante na cultura pop ?
sim...mas visual não é uma coisa separada da essência...forma sem função...visual legal é visual que comunica uma realidade pessoal...os óculos do John E o olhar do Paul...

Tem muitas bandas que reverenciam os seus Ídolos no visual , o som tem grandes influências e podem trazer coisas novas , o sujeito pode estar fazendo por que gosta. Alias é muito difícil reinventar a roda e acredito que isso seja uma qualidade essencial ao rock. Os Engenheiros mesmo tem algumas influências do Rock Progressivo...Muros e Grades tem uma introdução idêntica à Pretenders...
o rock está morrendo brou...im sorry...não é culpa minha, nem de ninguém, nem desses garotinhos vestidos com roupas de uma época em que o rock era uma coisa real...nem do próprio rock...a culpa é do tempo...esse implacável senhor...entramos numa viagem sem volta... a viagem da des-significação de tudo...a insignificância do rock é uma pequena vírgula nesse texto maior que é a insignificância de tudo á nossa volta, incluindo nós mesmos...pessoas mudaram as suas vidas ouvindo Beatles...Pink Floyd... até mesmo Engenheiros...mas isso não acontece mais ...com essas bandas pastiche...isso não é culpa deles...não é culpa das bandas...ou dos diretores de cinema, dos escritores...dos artistas plásticos, com a suas bobagens "conceituais"...vá ver a produção das faculdades de filosofia...vá ver a quantidade de conversa sobre a "forma", sobre o "método"...por que ? porque o conteúdo é zero...vazio total...a coisa está feia mesmo...pós-modernismo, brou... tudo o que era sólido desmanchou-se no ar...o que sobrou? fragmentos espalhados e sem significação nenhuma...o que é capaz de fazer alguém mudar a sua vida hoje? um câncer...talvez...um encontro verdadeiro com o Maior, com o que transcende essa banalidade toda...talvez... no fundo do poço da dor...não tem como voltar nem como subir para a superfície novamente...a única maneira de sair, é ir até o fundo... e romper para o outro lado...onde está o fundo? o que tem do outro lado? S.D.S.

Chega uma hora em que uma banda de sucesso é praticamente obrigada a tocar seus sucessos em show e TV. Os Rolling Stones vão morrer tocando "Satisfation" (que as vezes nem mais traduz o espírito da banda), o Los Hermanos raramente tocam "Ana Julia" apesar de toda o estardalhaço que a mídia faz em torno disso, Acredito que até mesmo você em sua carreira solo sempre temgente pedindo por uma canção da época dos Engenheiros. E também muitas musicas acabam pertencendo à uma outra época, outra mentalidade. Alguma vez isso te incomodou, o fato de acabar virando um "clone" de si mesmo ?
não tenho esse problema por uma razão muito simples: eu não sei tocar no violão, as músicas dos Engenheiros...hehehe...são muito complicadas prá um tosco que nem eu...

O que vem a ser a Com-unidade-1-manos ?
um lugar para se trocar idéias, e tentar dialogar com gente que pensa diferente da gente...ás vezes funciona...

No que consiste o projeto Talkshow ?
é a mesma coisa que a com-unidade, só que ao vivo...

Internet está engatinhando, mas já é impossível ver o mundo sem ela. Hoje ficou muito fácil não só para as bandas , mas para as pessoas interagirem entre si. Como você vê esse avanço ? Você usa muito a internet ?
sei lá se é muito... muito comparado a quem, né??? acho que uso um pouco... meu livro se passa na Internet... acho a Internet um tremendo avanço para a humanidade...pena que seja utilizada de um jeito tão imbecil, na maioria das vezes...mas aí o problema não é da Internet, é da humanidade, né?

E com essa aproximação , Longe Demais das Capitais continua fazendo sentido hoje ?
algumas coisas sim, outras não...

E a Juventude , continua uma banda numa propaganda de refrigerantes ?
bons tempos em que a juventude tinha questões éticas e morais como essa....

Um dos problemas de muitas bandas atuais são as letras . As pessoas estão lendo cada vez menos e não deve ser divicil encontrar quem nunca passou de uma reportagem de revista. Isso não impede elas de fazerem sucesso, uma vez que são reflexo do próprio público. A "arte" está ficando cada vez mais , digamos , elitizada ?
arte?

digo a arte mesmo. Porque o que vemos ai está muito pobre. Somente pessoas mais informadas conseguem ter um acesso a verdadeira "arte" podemos dizer . Tem que fuçar ...
será possível existir arte verdadeira num mundo fake? o que é verdade no fake? o fake ou a verdade? será a verdade, o fake do fake?

Mas em relação a musica pop, qual o objetivo da mesma ?
grudar na boca, que nem um chiclé.

E esse lance das bandas cada vez mais se centrarem no marketing, logotipos, visual de uma forma mais profissional, séria e que as vezes deixam até a musica em segundo plano ?
tem que avisar eles, que música é aquela coisa que existe para tocar a alma das pessoas...

Parece que cada vez mais as pessoas deixam de montar uma banda para tocar com os amigos, dessa cumplicidade e sim mais para terem sucesso, como se isso fosse um objetivo e não a consequência. É como dar um tiro no próprio pé ?
acho que é mais parecido com foder o próprio rabo...passávamos horas , na década de oitenta, discutindo se isso seria homossexualismo... não chegamos a nenhuma conclusão...tem que perguntar “presses” caras...

Quem gosta realmente de musica hoje em dia tem mais que garimpar. A internet facilitou o acesso, mas não separa o joi do trigo. Mesmo assim, você tem ouvido algo de novo que valha a pena ?
novo? o Bruce Springsteen é novo?

Nem as bandas que você produziu como Esquerda Volver , ou Gurus que tem musica em parceria com você merecem ser citadas...
como já falei, não se trata de um problema individual, pessoal...somos todos aquela banda que naufraga junto com o Titanic...vamos tocando até o final...não porque somos heróis, ou porque temos tanto amor assim pela música...fazemos isso apenas porque é a única coisa que sabemos fazer...as pessoas não morrem de câncer, morrem da falta de sentido que se apoderou de suas almas...e que se manifesta sob a forma do tumor...

Quais os seus planos para este ano ?
lançar um livro e um disco...

E esse disco...
é um apanhado geral, do que tenho feito depois do Farinha...

Você tem participações nos ultimos 3 discos dos Engenheiros. Como foi a nova contribuição para o novo álbum ao vivo ?
foi bem legal, a coisa fluiu muito rápido...do jeito que eu gosto...

Foi bom voltar a tocar bateria na banda ?
é engraçado...quando estou ali, parece que nunca saí..

2 comentários:

Osman disse...

cara sua entrevista ficou show, esse show que vc pegou no youtube ele fez aqui em porto Velho, muito massa por sinal....o cara é muito educado, deu autografos tirou fotos e talz....valeuu....

Ouvindo pampa no iPod disse...

excelente entrevista!
algumas coisas pontuais, mas as palavras do astrólogo-engenheiro-u-mano são sempre muito legais!

bjss