Páginas

PESQUISE NESTE BLOG

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

OS MELHORES E PIORES FILMES DE 2014


Nem todos os filmes são desse ano, mas sim aqueles que eu vi esse ano. Com certeza algum ficou de fora, outros não entram na lista de melhores ou piores.


MELHORES DO ANO

The Normal Heart

 
Ótimo e corajoso drama da HBO que conta a curiosa história de como a AIDS custou a ser reconhecida pelo governo americano e a desorganização e preconceito da propria comunidade gay para colocar a doença em pauta. Ótimas atuações de todo o elenco e mais um grande momento de Mark Ruffalo. Julia Roberts também tem suas melhores cenas em anos. Uma boa surpresa que de qualquer forma não é um filme fácil.

Ela 



Spike Jonze vem de uma série de filmes cults como "Quero ser John Malkovich", "Adaptação" e "Onde vivem os Monstros" mas é com "Ela" que ele apresenta seu melhor e mais coeso trabalho. Possivelmente também o melhor papel de Joaquim Phoenix até hoje. E como não se apaixonar pela voz da Scarlett Johansson.

Sob a Pele



E falando na Scarlett Johansson, esse que tinha tudo pra ser uma grande bomba. Dirigido pelo subestimado Jonathan Glazer que já tinha feito os interessantes e igualmente subestimados "Sexy Beast" e "Reencarnação". A historia é daquelas dificeis de definir e Scarlett interpreta uma moça devoradora de homens que pode ou não ser uma alienígena. Nenhuma resposta facil nesse filme que pode ser interpretado de diversas maneiras e feminista sem que isso signifique chato.

O Lobo atrás da Porta


Otimo roteiro e belas interpretações de Leandra Leal e Milhen Cortaz nesta adaptação de um caso real ocorrido no Rio nos anos 60 e que continua atual até hoje. Dramático e engraçado nas horas certas. 

A Garota Exemplar


Fracasso no Brasil e a volta a velha forma de David Fincher depois do fiasco que foi Millenium. De qualquer forma um filme que merece ser descoberto pelo grande público. E daqueles filmes que quanto menos você saber melhor. Manipulativo do começo ao fim (a começar pelo trailler) traz uma grande interpretação da insonsa Rosamund Pike, num papel que pode lhe valer um Oscar. Ben Affleck continua canastrão como sempre mas foi uma grande escolha para o papel. Se ainda não viu corra assistir antes que se depare com algumas listas que lhe dará mais pistas do que deverá saber sobre o filme. E se David Fincher não é um cara bom para falar de Amor (vide Benjamin Button) desta vez ele esfrega na cara a sua visão do Amor.
 
 Olive Kitteridge
 
 
 
 
Mais um ótimo drama da HBO. Na verdade não é um telefilme mas uma minissérie em 4 capitulos que conta a Vida de Olive Kiteridge, uma professora de uma cidade pequena no interior dos EUA, rabugenta e depressiva. A melhor interpretação da carreira de Frances McDormand , o que não é pouco.

 
Relatos Selvagens



Engraçado e Chocante, sem duvida nenhuma uma das grandes surpresas do ano. Um raro filme episódico em que todos são bons, mas que vale ressaltar o do Casamento. Tarantino encontra Almodovar seria o resumo mais obvio mas que não desmerece esse inusitado sucesso.

Ida


Belissimo e comovente drama. Fotografia de encher os olho e  uma estória arrebatadora. Certamente um dos grandes filmes do ano e que merece todos os prêmios. E como o proprio diretor diz "Eu quis fazer um filme mais abstrato e expressivo, que nos levasse à reflexão. Também gostei da idéia de não ter uma composicão clássica, de as imagens parecerem um pouco aleatórios, assim como as lembranças". Então, é isso.

Mesmo que nada der certo


Mais um otimo trabalho musical de John Carney (do cult "once"). E mais uma ótima interpretação de Mark Ruffalo como o fracassado produtor que vê uma chance de reerguer sua vida quando encontra a talentosa compositora vivida pela agradável Kiera Knight. Uma comédia musical sutil e envolvente e dirigida ao publico adulto. Não recomendável para adolescentes ou jovens adultos (se é que isso possa realmente existir)

Alabama Monroe



O novo filme do diretor  Felix Van Groeningen de "Os infelizes" é também um dos grandes filmes do ano. Na verdade é um filme de 2012 mas só esse ano tive acesso a essa belo drama musical que diverte e comove sem ser apelativo. Impossível não se envolver com o casal, um cantor de bluegrass e uma tatuadora. E melhor preparar os lenços.

Azul é a Cor mais quente


Sem duvida uma das grandes obras do ano. Pra mostrar que nem toda adaptação de uma HQ precisa ser desprezivel. Grandes atuações em uma bela e sensível história sobre dor, perda, preconceito e sofrimento. Fotografia exemplar que capta as nuances das interpretações da dupla feminina e um belo uso do formato de tela, que o diretor sabe captar como ninguém. Cinema pra gente grande.

O Grande Hotel Budapeste


Wes Anderson continua no seu típico universo que remete aos filmes antigos em mais uma fascinante aventura, desta vez mais acessível ao grande público do que seus trabalhos anteriores. Verdade que o anterior Moonrise Kingdom já acenava nessa direção. E esse não decepciona. 

O Lobo de Wall Street


É ótimo ver um diretor consagrado como Scorcese dirigindo essa ousada comédia que deu o que falar. O diretor não mostra pudores ao mostrar a vertiginosa ascensão e queda de um dos maiores canalhas do final do século e que não deixa de ser uma figura cativante (Maluf que o diga). O melhor trabalho do diretor desde Os Bons Companheiros (Hugo é uma obra à parte).

Que estranho chamar-se Federico



O que dizer sobre um documentário sobre Fellini dirigido pelo Ettore Scola ? Se os nomes dos envolvidos não é o suficiente pra te fazer assistir então corra aos cinemas assistir a Êxodo do Riddley Scott que pode ser sua praia.


O Homem Duplicado


Talvez um dos mais controversos filmes do ano e certamente um dos mais odiados (ao menos pra quem assistiu). Baseado na obra de José Saramago conta a história de Adam Bell (Jake Gyllenhaal) um professor que leva uma vida tediosa até encontrar por acaso um sujeito idêntico a ele. Poucos assistiram, poucos entenderam, poucos gostaram. Mas, sinceramente, nada disso importa. Denis Villeneuve entra de vez no rol dos grandes diretores de cinema. E pensar que há pouco já nos tinha entregue os exepcionais "Prisioners" (2013) e "Incendios" (2010). 

Uma vida comum


Qual o interesse de acompanhar a trajetoria de um sujeito cujo trabalho é procurar parentes de pessoas que morrem indigentes ? Dirigido por Umberto Passolini (que sim, é parente do Homem) é um ótimo filme que merece ser descoberto nem que você não tema ser esquecido depois da morte.

Viva a Liberdade


Mais um filme estrelado pelo excelente Toni Servillo, do igualmente genial "A Grande Beleza", ambos os filmes do ano passado mas que só vi esse este ano. Se as eleições do Brasil não foram nada divertidas ao menos no filme a política é motivo de grande entretenimento. Pena que na vida real ela não seja nada satisfatória.

Inside Llewyn Davis


Mais um grande trabalho dos irmãos Coen, que conta a história do talentoso e arrogante cantor de folk Llewyn Davis. Pela primeira vez parece que os diretores tem compaixão de seu personagem. Um filme de como a integridade artística pode impedir de se atingir seus objetivos na vida. Melancólico e engraçado, indicado a fãs dos diretores e claro de Bob Dylan.

Nebraska


Outro que volta a forma é o diretor Alexander Payne depois do frustrante "Os descendentes". Ótima fotografia e grande atuação de Bruce Dern nessa melancólica comedia on the road.

Boyhood


Embora não seja tudo isso que estão falando, essa comédia que periga ganhar o Oscar é mais um belo trabalho do sempre interessante Richard Linklater. Se não chega a ser genial como sua trilogia de maior sucesso iniciada com Antes do Amanhecer não deixa de ser  prazeroso acompanhar a jornada da vida comum de um garoto filmada ao longo de tantos anos (literalmente). Alguns detalhes atrapalham como a irmã do protagonista, péssima como atriz, a longa duração e algumas fugas do roteiro quando o filme atinge alguma catarse, esfriando tudo. Mas honesto e pretensioso como todo filme devia ser.



Outros que podiam estar na minha lista:
Clube de Compra Dallas (um filme que ganha força mais pela atuação dos protagonistas
Mapa das Estrelas(Cronnenberg segue sua fase de doenças mentais)
Philomena (fazia tempo que não via um filme tão bom do Stephen Frears)
Still Alice (será que o Oscar vai lembrar de Julianne Moore finalmente)
O Expresso do Amanhã (outra rara boa adaptação de uma HQ e do sempre interessante Joon Ho-Bong)
Amantes Eternos (vampiros podem render bons filmes ainda mais se o diretor for alguém como o Jim Jarmusch)
 Boa Sorte (Deborah Secco mostrando que não é apenas um rostinho bonito)
 Planeta dos Macacos - O confronto (que prazer ver uma franquia dessas ainda render bons filmes e que sabe utilizar bem a linguagem cinematográfica)
O Hobbit (execrado por fãs radicais do escritor, o que só conta a favor)
Praia do Futuro (do sempre extraordinário Karin Ainouz)
Uma Viagem Extraordinária (mais uma viagem de Jean Pierre Jeunet)
O Teorema Zero (Terry Gilliam voltando a sua boa forma)
O Abutre (apesar de não ter o mesmo impacto depois de ver o Argentino Abutres),
Jersey Boys (o subestimado e interessante musical do Clint Eastwood)
The Babbadock (uma supresa nos filmes de Terror,  o único do gênero que salva no ano)
The Rover (não tão bom quanto o anterior Reino Animal mas um bom filme)
Hoje eu quero voltar sozinho (personagens convincentes fazem a diferença nessa refilmagem do curta do mesmo diretor)
 
E alguns outros que naturalmente não vieram a minha cabeça a tempo. Alguns outros como "Era uma vez em Nova Iorque" ainda não vi e espero que  o hype seja verdadeiro.


PIORES DO ANO

Ok, não assisti "Velozes e furiosos", "O Homem Aranha", "Jogos Vorazes", "Anjos da Lei 2","um milhão de maneiras de se pegar na pistola", "Transformers" (se bem que esse eu podia colocar na lista pois é do Michael Bay, mas vai que ele acertou. E não, não vou conferir), "Annabelle" e tantos outros por isso vou me concentrar naqueles que me propus a assistir por motivo ou outro. Infelizmente mesmo selecionando acabamos vendo algumas bombas, seja sem querer seja por um diretor que tenhamos um fio de esperança.

Tusk


Pode parecer ingenuidade mas acreditava que Kevin Smith tinha descido ao fundo do poço com o intragável "The Red State". Mas nada me preparava para essa ridícula comédia de terror sobre um sujeito vitima de um serial killer que transforma suas vitimas em Morsa. Curioso por trazer um gordinho Haley Joel Osment. Não esperava muito mas assisti em respeito aos primeiros trabalhos do diretor. E se Johnny Depp parece nunca levar seu trabalho à sério entrega sem duvida seu pior trabalho (não assisti O turista).

Interestelar


É triste ver um diretor que você admira entregar um trabalho tão fraco e equivocado, que em seus melhores momentos lembra outros filmes (Sinais, 2001...). Christopher Nolan já tinha alguns problemas em seus roteiros mas desta vez trás um trabalho relapso e que exige boa vontade de seus fãs. Alias, o diretor tem os fãs mais chatos do cinema (comparável a fãs do Legião Urbana e Los Hermanos na cena musical).
 
 Não que o filme seja um fracasso total, tem boas cenas (apesar de não aproveitar bem o visual que a história podia render), começa bem, vai mantendo o interesse e tem na metade do filme seu melhor momento mas descamba num final preguiçoso e arrastado que nos faz reavaliar outros momentos do longa que inicialmente não eram tão problemáticos (como o fato do personagem principal ser conhecido como um grande astronauta e sua primeira e única missão tinha sido um fracasso, o fato dele morar perto da base da Nasa e aparecer por acaso na mesma e ser o único que poderia aceitar a mesma). 
 
Do elenco Anne Hathaway não tem o que fazer no filme (se você tirar a personagem dela não sentirá falta de nada), Michael Caine está lá por que é um filme do Nolan.

O filme também ressalta outros problemas do diretor como o fato de explicar para o público o que está acontecendo para o público (a cena que um personagem explica para o outro o buraco de minhoca, sendo que o outro certamente sabe sobre isso), problema já encontrado no anterior "A Origem" (nesse mais ainda) e em "O grande Truque". Uma verdadeira decepção. Em tempo, gosto de Legião e Los Hermanos e acima de tudo do Christopher Nolan.

Guardiões da Galaxia


Relutei em colocar esse filme na lista pois só aguentei asssitir uma hora de filme. Visual confuso e piadinhas sem graça. De qualquer forma foi um grande sucesso. Poderia ressaltar a boa trilha sonora mas ela já foi utilizada com mais acerto em Cães de Aluguel e Quase Famosos. E cá entre nós, é facil escolher uma boa trilha sonora com tanta coisa por ai mas ser um Tarantino não é pra qualquer um.

Ninfomaníaca 


Mais um caso de um diretor que admiro mas que decepcionou. Lars Von Trier demorou cinco horas e meia para fazer algo que poderia dizer em 2 horas. Possui bons momentos mas é em sua maior parte chato e arrastado. E não é fácil aguentar o Shia LaBeouf como o interesse amoroso da protagonista. Um verdadeiro masoquismo e quem sabe seja essa a intenção do diretor.

Virginia


Fiz uma retrospectiva Coppola esse fim de ano. Só não revi Jack e O Homem que Fazia chover porque masoquismo tem limite. Não deixa de ser louvável um diretor como o Coppola nessa altura do campeonato querer experimentar e ousar mas infelizmente não deu nada certo esse filme B de terror. Lamentável a falta de interesse do diretor em seus filmes desde Apocalipse Now e que posteriormente entregou trabalhos que se não ruins, que poderiam ter sido feitos por qualquer Diretor competente (excessões a Drácula e o final da trilogia do Padrinho que é um caso à parte). Preguiçoso e frustrante. Melhor ficar com os vinhos.

Transcendence


Nada salva nessa bomba produzida pelo Christopher Nolan, que juntamente com Interstelar pode significar sua ladeira abaixo na Industria. Hollywood geralmente aceita tamanha sucessão de fracassos (Shyamalan que o diga). Espero que esteja enganado mas os emails vazados da Sony assinam embaixo o que os executivos pensam.

OLDBOY


O que foi isso Spike Lee ? Sem comentários.


Outros:
Caçadores de obras primas (George Clooney errou desta vez mas nada que o desabone, apenas chato e superficial)
 Lucy (não há estilo que resista a esse roteiro, embora louvável os franceses fazerem o que os americanos deveriam há tempos: salvo Angelina Jolie não colocar mulheres como heroínas principais)
Refens da Paixão e Homens Mulheres e Filhos (duas bolas fora do Jason Reitman)
O Juiz (Robert Downey Jr interpretando Robert Downey Jr e daqui a pouco disponível no Supercine)
Isolados (filme de terror psicologico meia boca e mal filmado)
Sexy Tape (Comédia americana já é duro, ainda mais uma que não salva nada)
O conselheiro do Crime (tentei gostar mas depois de um tempo vê-se que não salva muito)

Um comentário:

Reinaldo Nogueira disse...

Lista não é para gostar ou não.
Lista é para apreciar.
Dos 20 melhores, assisti 16. Concordo com a maioria.
Pelo jeito você gosta de filmes do tipo "fossa garantida ou seu dinheiro de volta".

Pecado grave foi a classificação de Interestelar.

Tenho preocupação em que lado você deixará Star Wars 7 . . . Vamos aguardar.